Chegando os meses quentes, chegam também as férias. No entanto, os dias que precedem a partida para as férias costumam ser os mais stressantes para as pessoas, surgindo dúvidas como: o passaporte está caducado?, deixei tudo feito no trabalho?, onde estão as malas?, o que faço com o meu animal? Será que o deixo, será que o levo?

Este período é associado também muitas vezes pelos animais a uma altura muito stressante, quer seja por ficar sozinho em casa, quer seja por ir de férias com os donos. Cada animal reage de maneira diferente a esta época e cabe aos tutores decidir como vão proceder para que as férias sejam o menos stressantes possíveis, tanto para eles, como para os nossos amigos de 4 patas.

 

O que é o stress?

O stress é uma resposta fisiológica e comportamental normal a algum estímulo que ameaça ou faz sentir ameaçado o equilíbrio do organismo. No entanto, quando o animal está exposto muito tempo ao stressor, o stress causado pode afetar o humor, a produtividade e a qualidade de vida, assim como o sistema imunológico, reprodutivo e pode ser causa de comportamentos anómalos (Saude Bem Estar, 2020).

Toda esta agitação em casa, originada pelas férias pode ser causa de stress nos animais de companhia. Nervosismo da parte dos donos, coisas espalhadas pela casa, exposição a novos ambientes, barulhos muito altos, viagens longas e temperaturas muito elevadas, tudo são fatores de stress (Diário de Notícias, 2020).

Neste artigo, serão abordadas causas de stress nos animais durante as férias e preparação das mesmas, expondo também algumas dicas e truques para minimizar os níveis de stress.

 

Ansiedade de separação

A Síndrome de ansiedade de separação em animais consiste num distúrbio de comportamentos e que pode ser despoletada pelo stress provocado, no caso dos cães, pela ausência do dono, exibindo comportamentos indesejados, mas também por mudanças abruptas de rotina, como por exemplo, a entrada em férias (Zoowish, 2020).

Os comportamentos mais comuns de expressão desta síndrome são:

– Vocalização excessiva – Uivos, choros ou latidos em excesso. No caso dos gatos, fazem miados longos e estridentes. Desencadeados quando deixados sozinhos;

– Comportamento destrutivo – Roer ou arranhar objetos;

– Fuga – Tentativas de fuga são muito comuns nestes casos e podem resultar em lesões no animal ou destruição de objetos na casa, especialmente em locais de saída, como janelas e portas.

– Defecar e urinar em locais inapropriados – os cães defecam e urinam em locais associados aos seus donos, os gatos deixam de eliminar as suas necessidades na caixa de areia.

– Coprofagia – Após defecar, o animal come as próprias fezes (cães)

– Transtornos compulsivos – Alguns animais andam ou trotam segundo um padrão fixo específico: andar em padrões circulares ou apenas para a frente e para trás.

– Alterações de apetite

– Escondem-se

Normalmente, expressam-se mais do que um destes comportamentos e não acontecem quando estão na presença dos tutores (Zoowish, 2020).

Truques e dicas para diminuir o stress durante as férias

De forma a minimizar a ansiedade causada pela entrada em férias dos tutores, devemos começar por introduzir algumas estratégias que diminuam esta ansiedade, tanto se o animal ficar, como se for de férias com a família.

 

Se o seu animal não for com a família 

Por razões de logística ou porque conhece bem o seu animal e sabe que toda a viagem lhe causaria demasiado stress, por vezes, a melhor solução é o animal ficar em casa.

No caso dos gatos, visto serem animais muito territoriais (detestarem viajar e sair do seu ambiente habitual), a melhor solução é deixá-lo sossegadinho em casa, no seu território e ter alguém que cuide dele. Já os cães, preferem a companhia de alguém em vez do seu território.

Para ir de férias descansado, deve-se tomar algumas medidas antes de partir e ter tudo tratado, de forma a minimizar a ansiedade do seu animal o mais possível, durante a sua ausência.

Preparação prévia:

  • Prepare o seu patudo, realizando períodos de separação. Inicialmente, faça pequenos períodos, como 30 minutos, e vá aumentando gradualmente. Assim, ele irá habituar-se à ideia de ficar sozinho. Tente mantê-lo sempre relaxado;
  • Faça uma consulta com o seu médico veterinário. Apenas ele pode verificar se o seu animal está bem de saúde e preparado para ficar sozinho;
  • Deixe uma zona de conforto para o seu animal descansar num local preferencialmente calmo, onde não exista muito barulho;
  • Tornar o ambiente mais divertido e interessante, deixando brinquedos mentalmente estimulantes, é uma boa forma de manter o seu animal entretido na sua ausência. Existem diversos artigos deste género no mercado, tanto para gatos, como para cães, mas também pode fabricar um em casa;
  • Mantenha-se sempre calmo e confiante. As energias positivas são sentidas pelos nossos animais, portanto, eles irão seguir o seu exemplo. Despedidas prolongadas apenas vão aumentar os niveis de stress do seu companheiro. Opte por uma despedida 10 a 20 minutos antes. Assim despede-se do seu amigo, e ele não fica muito ansioso na hora da partida (Purina, 2020).

Durante as férias:

  • Recorrer a serviços de Pet-sitting ou dog-walking é uma boa forma de manter o seu animal tranquilo na sua ausência, mantendo-o entretido, fazendo-lhe companhia e fazer exercício com ele (após o exercício, os animais tendem a ficar mais relaxados). Especialmente recomendado para gatos;
  • Outra solução, tanto para cães como para alguns gatos, seria deixá-lo em casa de amigos, familiares ou vizinhos. Se optar por esta opção, escolha alguém de confiança e certifique-se que têm condições para cuidar do seu amigo. É melhor se o seu animal já conhecer a pessoa com quem vai ficar;
  • Uma outra solução é colocar o seu animal num hotel para cães ou gatos. Existem várias opções no mercado, com ofertas variadas, e preços adaptados a todas as carteiras. Antes de deixar o seu animal, faça uma visita antecipada. Preste atenção à limpeza, ao espaço, à lotação do local. Descarte os locais que não exigem boletim de vacinas. Verifique se o hotel tem atendimento veterinário de emergência (Pumpkin / Petable, 2020).

Recomendações:

De forma a minimizar a sua ausência, em qualquer uma das opções que escolha acima, explique ao cuidador a rotina habitual do seu animal, o seu tipo de alimentação, hábitos e preferências.

Tenha especial atenção a animais que tenham necessidades especiais e certifique-se que tem alimento para todo o período em que vai estar fora, para evitar complicações para o cuidador e para o seu animal. Deixe sempre o seu contacto e o do médico veterinário que acompanha o seu patudo.

O objetivo é manter a rotina o mais normal possivel de forma a reduzir os niveis de stress/ansiedade, uma vez que já vai ficar ansioso o suficiente sem o seu dono (Pumpkin / Petable, 2020).

Se o seu animal viaja com a família

Se, por outro lado, como o seu animal é parte da familia, quer levá-lo consigo nas suas férias, existem também cuidados a ter, antes e durante as férias, para que todos possam ter descanso.

Cuidados prévios:

  • Alojamento – Antes de reservar o alojamento de férias, verifique se aceita a permanência de animais e em que condições. Alguns exemplos de páginas web:
  • http://www.fundacion-affinity.org/viajar
  • http://www.hotelesperros.com
  • http://www.viajarconperros.es
  • https://www.seadmitenmascotas.com
  • http://www.hotdogholidays.com
  • Casas de campo ou herdades também são uma boa alternativa. Mais espaçoso, ausência de outros inquilinos e a possibilidade de realizar passeios à vontade são razões óptimas para optar por este tipo de alojamento;
  • Ida ao veterinário – Antes de partir em qualquer viagem, faça uma consulta ao seu animal de companhia no seu médico veterinário. Será deito um check-up ao seu animal, para verificar se o estado de saúde dele é compatível com viagens e com mudanças bruscas de rotina, será informado sobre vacinas e documentos que são obrigatórios nalguns paises e ainda poderá tirar dúvidas e obter recomendações sobre viajar com o seu animal e como o manter calmo e seguro;
  • Prepare a mala do seu animal – Prepare antecipadamente um estojo de “necessários” do seu patudo. Um estojo médico (com uma solução para limpar os ouvidos, uma pomada anti-inflamatória, um antidiarreico, analgésicos e anti-inflamatórios, água oxigenada), o boletim sanitário, alimentação, bebedouro, brinquedo, chapa de identificação com informação dos donos, trela, açaime, cinto de segurança para viagem em automóvel, sacos para recolha de dejetos, caixa de areia;
  • Leve consigo um contacto de um médico veterinário do local onde vai passar férias. Assim, ficará mais descansado caso algo aconteça (Affinity Petcare, 2020).

Cuidados durante a viagem:

Não esquecendo que antes de chegar ao seu destino de férias existe uma viagem a fazer, também devem ser tomadas algumas precauções para que seja uma viagem mais cómoda para o seu animal, e assim, diminuir o stress causado.

  • Se viajar de carro:
  • É necessário adotar medidas de segurança para o seu animal, desde transportadoras e arneses de fixação até redes ou barras de separação. Certifique-se que o seu animal fica protegido no caso de uma travagem brusca. No caso dos gatos deve utilizar-se uma caixa transportadora (Affinity Petcare, 2020);
  • Durante a viagem, faça pausas regulares para beber água, fazer as suas necessidades e mexerem-se um pouco. Nunca deixe o seu animal dentro do carro sem vigia (Observador, 2020).
  • Se viajar de avião, barco, comboio ou autocarro:
  • O transporte de animais de companhia em transportes públicos é permitido em Portugal, desde que sejam cumpridas certas normas que salvaguardam a segurança dos mesmos e das outras pessoas e de outros animais. Os animais considerados perigosos ou potencialmente perigosos não podem ser transportados nestes meios de transporte (AMT Autoridade, 2003).
  • Os animais a serem transportados devem ser devidamente acompanhados e devem encontrar-se em bom estado se saúde, devendo ser transportados em contentores próprios, limpos e em bom estado de conservação, sem nunca ocupar o assento do veículo de transporte público (Decreto-Lei n.º 315/2003, de 17 de dezembro).
  • Informe-se sempre. Cada empresa tem as suas condições de transporte de animais. Algumas não fazem transporte de certas raças por motivos de segurança, outras ainda pedem o boletim de vacinas e licença do animal (Affinity Petcare, 2020).
  • Nos aviões, se o animal ultrapassar o limite máximo de peso (normalmente é de 8 kg), terá que viajar no porão, sozinho. Nesse caso, não dê nenhum sedativo ao seu animal, para prevenir problemas respiratórios e que ele caia e que se magoe (Affinity Petcare, 2020).
  • Nos comboios, o transporte de animais é gratuito, desde que estes estejam encerrados num contentor próprio que tenha dimensões que não afetem o conforto e a segurança dos demais passageiros. Podem ainda ser transportados cães não encerrados, desde que devidamente contidos (trela curta, açaime) e acompanhados com o boletim de vacinas atualizado e da lincença municipal (Decreto-Lei nº 58/2008, de 26 de março).
  • Atenção que estas viagens são muito stressantes para o seu animal, principalmente se não estiver acompanhado. Caso o seu animal fique nauseado em transportes, é recomendável recorrer a medicamentos específicos para as naúseas (Affinity Petcare, 2020).

À chegada:

  • Num ambiente novo, o animal tenderá a comportar-se de forma tímida e insegura. A melhor solução, é manter-se calmo e manter uma atitude positiva, de forma a que o animal perceba que está tudo bem. Dentro de pouco tempo, o seu patudo volta a ser o mesmo de sempre (Affinity Petcare, 2020);
  • Deve ter cuidado com o comportamento exploratório do seu animal. Novos cheiros, sons e comida diferente podem levar o seu animal a consumir aquilo que não deve e levar a intoxicações alimentares (plantas desconhecidas, comida diferente) (Affinity Petcare, 2020);
  • De forma a facilitar a adaptação do seu animal, leve alguns brinquedos dele ou os snacks habituais (Affinity Petcare, 2020).

A melhor maneira de combater o stress no seu animal é estar atento e perceber se existem ou não alterações do seu temperamento e comportamento. Se necessário, peça ajuda ao seu médico veterinário para o ajudar nesta tarefa. Além disso, ele é o único capaz de diagnosticar corretamente se o seu animal está em stress ou não e de eventualmente aplicar o tratamento certo.

Webgrafia

Stress. (n.d.). Retrieved August 01, 2020, from https://www.saudebemestar.pt/pt/blog-saude/stress/

Notícias, D. (2016, outubro 08). Férias, mortes, divórcios. O que deixa os animais deprimidos. Consultado a 1 deagosto de 2020, https://www.dn.pt/sociedade/ferias-mortes-divorcios-o-que-deixa-os-animais-deprimidos-5430497.html

Z. (2020, maio 13). Ansiedade de Separação em Cães: Depois da Quarentena. Consultado a 1 de agosto de 2020, https://zoowish.com/blog/ansiedade-de-separacao-em-caes-depois-da-quarentena/

P. (n.d.). 5 Dicas para ajudar o seu animal a lidar com ansiedade de separação. Consultado a 1 de agosto de 2020, https://www.purina.pt/caes/comportamento-e-treino/ansiedade-de-separacao

Férias com animais de estimação, 10 conselhos práticos: Vets & Clinics. (n.d.). Consultado a 1 de agosto de 2020, https://www.affinity-petcare.com/vetsandclinics/pt/ferias-com-animais-de-estimacao-10-conselhos-praticos/

Lab, O. (2017, abril 04). O seu animal de estimação vai de férias? Consultado a 1 de Agosto de 2020, https://observador.pt/2017/04/04/o-seu-animal-de-estimacao-vai-de-ferias/

A. (n.d.). VIAJAR NOS TRANSPORTES PÚBLICOS COM ANIMAIS DE COMPANHIA 12/09/2016 – 09:54. Consultado a 1 de agosto de 2020, https://www.amt-autoridade.pt/consumidor/informa%C3%A7%C3%A3o-ao-consumidor/viajar-nos-transportes-p%C3%BAblicos-com-animais-de-companhia/

Equipa Pumpkin, Temos imenso orgulho na Equipa Pumpkin em ajudar famílias serem felizes. (2018, julho 24). O que fazer ao meu animal nas férias? Não ao abandono! Consultado a 1 de agosto de 2020, https://pumpkin.pt/familia/lifestyle-criancas/festas-aniversarios-batizados-ferias/o-que-faco-ao-meu-animal-durante-as-ferias/